Notícias

Rumo ao sonho da Olimpíada Internacional de Química

Aos 15 anos, Vinicius Avelar decidiu sair de Brasília para se dedicar a um objetivo: conquistar uma medalha na Olimpíada Brasileira de Química (OBQ). Assim como ele, a estudante Cássia Caroline Aguiar, de 17 anos, focou nos estudos com o mesmo propósito. Há poucos dias, os dois são medalhistas da OBQ 2020 e vão representar o Brasil na Olimpíada Internacional de Química (International Chemistry Olympiad,  IchO). Organizada no Japão, a prova será realizada de forma remota e está prevista para ocorrer na última semana de julho.

Vinicius Avelar conta que, no 9° ano, começou a focar os estudos nas Olimpíadas. No 1º ano do ensino médio, o estudante se mudou para Fortaleza (CE), estado campeão em medalhas e com escolas que oferecem toda a estrutura que ele precisava para se preparar.

Durante dois anos na capital cearense, ele já participou de outras seletivas. Antes da final da OBQ 2020, havia participado de três seletivas para competições internacionais. Ainda no primeiro ano do ensino médio, participou da Olimpíada Brasileira de Ciências, que classificava para IJSO (International Junior Science Olympiad). À época, ficou a dois lugares da classificação para a internacional. No segundo ano, participou da OBQ e ficou em quinto lugar. Este ano, na Olimpíada Brasileira de Física, ficou a duas colocações da classificação para a Ibero-americana.

Os resultados mostraram que ele estava no caminho certo rumo ao sonho: conquistar uma medalha na OBQ e disputar a IChO. “Depois de tudo isso, chegar aqui e ver meu nome como primeiro lugar na Olimpíada Brasileira de Química é muito satisfatório. É ver que meu esforço durante todos estes anos valeram a pena, me fizeram chegar a este objetivo”.

Neste momento, os estudos de Vinicius estão focados na Olimpíada Internacional. Como a provas são elaboradas por especialistas do país organizador, ele acredita que a melhor forma de se preparar é estudando mais o conteúdo da fase VI e buscando informações de provas anteriores. Ele está ciente da possibilidade de ser surpreendido. “Meus estudos estão focados em simulados de competições internacionais. O histórico do Brasil na competição internacional é de medalhas, mas isso depende de variantes que não podemos controlar. Então, é estudar e manter a calma”.

O estudante está otimista quanto às chances de medalha também para os colegas brasileiros que farão a prova. “Acho que o desempenho do time brasileiro na internacional vai permanecer tão alto quanto nos anos anteriores. O Brasil tem um desempenho histórico muito bom, e os classificados já estavam estudando há bastante tempo. Então, acho que as chances são muito boas”, aposta.

A intenção de Vinicius é cursar a graduação no exterior ou na Universidade de São Paulo (USP). As possibilidades são muitas, mas a certeza é uma só: ele quer cursar Química. “É a minha paixão, algo que eu quero para o resto da minha vida”.

Quando perguntado o que mais gosta na Química, ele diz que a resposta não é simples, pois os motivos são muitos. Mas tenta resumir. “Fico encantado como as propriedades que resultam das interações químicas afetam as propriedades macroscópicas dos materiais. Acaba que temos uma gigantesca gama de materiais devido a estas pequenas diferenças. Isso é algo que me fascina muito”.

Medalhista com muita bagagem em Olimpíadas

Cássia cursa o 3° ano do ensino médio em uma escola da capital cearense. Segundo ela, o sonho de participar de uma Olimpíada Internacional é realidade graças aos seus esforços e ao apoio que recebeu. “Sou muito grata a todos os professores e coordenadores que me ajudaram a alcançar esse resultado”.

Ela conta que já participou de Olimpíadas de diversas áreas do conhecimento: História, Astronomia, Robótica, Física, Matemática e Biologia. Dentre as medalhas obtidas estão: ouro na Olimpíada Brasileira de Física e na Olimpíada Nacional de Ciências; prata na Olimpíada Brasileira de Robótica e na Olimpíada Brasileira de Química; e bronze na Canguru de Matemática.

A estudante conta que se identificou muito com a Química. “Desde que comecei a estudar, no oitavo ano, já era uma das minhas matérias favoritas. Foi uma identificação instantânea”.

Os estudos de Cássia estão voltados exclusivamente para a Olimpíada Internacional. “Toda a minha energia está nesta preparação que inclui revisão dos assuntos e treinamento do tempo de resolução das questões. Espero que minha participação nessa Olimpíada me dê novas oportunidades”.

Ela ainda não sabe que caminhos vai trilhar no futuro próximo, mas tem certeza que a opção pelos estudos nunca decepciona. “Participar de uma Olimpíada requer muito esforço, mas vale a pena se você quer aprofundar seus conhecimentos ou ser reconhecido pelo seu estudo. Existem tantas competições como estas diferentes. Busque aquela que se parece mais com você ou então se desafie a tentar uma que você não tem tanta facilidade, com certeza vai ajudar muito no seu desenvolvimento intelectual”.

Saiba mais sobre a OBQ e a Olimpíada Internacional

A Olimpíada Brasileira de Química é um evento de cunho competitivo para estudantes do ensino médio e tecnológico. Tem como objetivos gerais descobrir jovens com talento e aptidões para o estudo da Química, e incentivá-los a se tornarem futuros profissionais da área. Além disso, incentiva na população jovem o interesse para o estudo desta Ciência, permitindo aos estudantes aplicar seus conhecimentos e suas habilidades em um espírito olímpico. Os mais bem classificados são indicados para participar da Olimpíada Internacional de Química, criada em 1968, na Checoslováquia.

Essa competição reúne a cada ano, no mês de julho, aproximadamente 320 estudantes de 80 diferentes nações. Cada país pode competir com o máximo de quatro estudantes não-universitários, com idade inferior a 20 anos.

As provas aplicadas são elaboradas por especialistas do país organizador. Ao final do evento, os mais destacados estudantes recebem prêmios que consistem em medalhas de ouro, prata e bronze. O Brasil iniciou sua participação, como observador, neste evento, em 1997.

Confira os vencedores da OBQ 2020: http://bit.ly/obq-fasevi