Notícias

Olimpíada de Química 2020 terá exame final no domingo (23)

No próximo domingo (23), 15 estudantes farão as provas da fase VI da Olimpíada Brasileira de Química (OBQ 2020). Nesta prova, serão classificados os representantes do Brasil para a Olimpíada Internacional de Química, prevista – inicialmente – para ocorrer em Osaka (Japão) na última semana de julho, e para a Olimpíada Ibero-americana de Química, prevista para acontecer em setembro.

Todos os estudantes que estão nesta fase passaram por um Curso de Aprofundamento e Excelência em Química. As aulas foram ministradas por professores dos Programas de Pós-graduação em Química das universidades de São Paulo (USP), da Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Piauí (UFPI) entre os dias 19 e 24 de abril deste ano.

O curso serviu para ampliar o conhecimento dos alunos e prepará-los para os exames internacionais. Um destes alunos é o Rafael Ribeiro, que gostou muito da experiência. Segundo ele, o conteúdo, com certeza, o ajudará bastante.

“As aulas foram incríveis! Passava muito do horário de terminar, e queríamos continuar. Era difícil parar. Os professores são muito didáticos e nos trouxeram experiências novas, abordagens diferentes. Sem contar que as aulas foram bem direcionadas para as Olimpíadas mesmo, o que será de grande ajuda para todos nós”.

Para Jana Almeida Pacheco dos Santos, representante do Ceará, não foi diferente. Ela se sente preparada para a próxima etapa. Mas ressalta que participar de uma competição como esta é mais do que se preparar para uma prova.

“As Olimpíadas são para mim uma forma de incentivo para os estudos e para conhecer melhor a Química. Mas eu também me apaixonei pela Ciência. Então, acredito que possa ser uma porta de entrada para a pesquisa científica. Acendeu essa luz dentro de mim”, acredita.

O coordenador do Programa Nacional Olimpíadas de Química, professor Sérgio Melo, conta que o nível dos candidatos está bastante alto. Portanto, a prova exigirá muito de cada um deles.

Para ele, esta fase final representa uma vitória para os estudantes e para a organização, que enfrentou muitos desafios ao longo do último ano. “A pandemia dificultou bastante as etapas nos estados. E, pela primeira vez, nós trabalhamos com provas remotas. Inicialmente, tivemos o receio de que pudesse favorecer fraudes, mas com o avançar das etapas percebemos que as regras impostas tornam o processo confiável”, destaca.

Sobre as Olimpíadas

A Olimpíada Brasileira de Química é um evento de cunho competitivo para estudantes do ensino médio e tecnológico. Tem como objetivos gerais descobrir jovens com talento e aptidões para o estudo da Química, estimulando a curiosidade científica e incentivando-os a se tornar futuros profissionais da área e incentivar na população jovem o interesse para o estudo desta ciência, e permitir aos estudantes aplicar seus conhecimentos e suas habilidades em um espírito olímpico. Os vencedores são indicados para participar da Olimpíada Internacional de Química.

Desde 1968, a Olimpíada Internacional reúne, a cada ano, no mês de julho, aproximadamente 320 estudantes de 80 diferentes nações. Cada país pode competir com o máximo de 4 estudantes não-universitários, com idade inferior a 20 anos, que são submetidos a exames teóricos e práticos durante o evento.

Entenda as etapas até aqui

A OBQ é composta por duas etapas. Cada uma é dividida em três fases.

 

Primeira etapa

Fase I

É organizada pela escola do aluno.

Fase II

É denominada de Olimpíada Estadual.

Fase III

Composta pela prova teórica em nível nacional.

 

Segunda etapa

Fase IV

Corresponde a uma prova teórico-prática, de onde saíram os 15 candidatos que farão as provas no domingo (23).

Fase V

Curso de Aprofundamento e Excelência em Química.

Fase VI

Prova no domingo (23) para a seleção da comitiva que representará o Brasil nas Olimpíadas Internacionais.