Notícias

Ensino da Termodinâmica é tema de evento online do CRQ III (RJ)

O Conselho Regional de Química da 3ª Região (CRQ III) promoveu, na noite da quarta-feira (26), live para discutir o ensino da Termodinâmica. Participaram do evento online Alexandre Vargas Grillo e Murilo Cabral, docentes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). A mediação da conversa ficou a cargo do professor Rafael Almada, presidente do CRQ III e reitor do IFRJ.

A noite começou com a explicação do que é a Termodinâmica. Segundo os palestrantes, o termo tem relação com a temperatura associada à energia, ou seja, ao grau de agitação das moléculas. Trata-se de uma parte da Ciência bem conceitual, interpretada por muitos como algo bastante difícil de ser compreendido. É o que explica o professor Grillo. “A Termodinâmica vem das leis da natureza. E se alguém falar que sabe tudo sobre ela, estará mentindo. Ela está em constante construção e descoberta. É um amor e um desafio para mim”.

Almada comentou que no início, geralmente, os alunos costumam se assustar com a quantidade de cálculos que a disciplina envolve. “A matemática sempre está muito presente e é necessária para tentar expressar a Química da Termodinâmica de forma quantitativa. Mas não é só o cálculo pelo cálculo, mas sim pela interpretação do fenômeno”, explicou.

Para Cabral, do ponto de vista do ensino, há assuntos que aterrorizam um pouco os alunos, como o cálculo, por exemplo. Mas ele costuma mostrar aos alunos que não se trata de um obstáculo intransponível. “A parte matemática já foi toda desenvolvida, basta aplicar. Fica mais tranquilo se pensar assim. E é uma Ciência base. Se a Química é a mãe de tudo, a matemática é o pai”, prega.

Cabral também chamou a atenção para o uso de exemplos que facilitam a compreensão do aluno, trazendo a Química para situações corriqueiras do dia a dia. Almada acrescentou que, quando vai explicar a entropia, para contextualizar, utiliza fatos cotidianos para aproximar a teoria da realidade. “Por que seu quarto não pode permanecer sempre arrumado? Porque a entropia favorece a bagunça. Isso é explicar conceitos, que os levam a refletir e ver a Química em várias situações”.

Grillo, por sua vez, contou um pouco da história da Química e da Termodinâmica. Em sua fala, ressaltou que este campo da Ciência está em várias áreas hoje, entre elas a nanotecnologia. “Vemos a evolução pela qual um celular passou nos últimos anos e podemos dizer que isso tem muito de termodinâmica envolvida”.

As novas tecnologias que hoje estão disponíveis aos alunos também foram assunto na live. Numa comparação entre a época em que era estudante e os dias atuais, o professor avalia que o acesso à informação hoje é muito maior.
“Atualmente, o aluno busca por informação a todo momento, até mesmo porque o acesso aos materiais diversos é muito maior. Porém, percebe-se que a base educacional que os alunos têm, muitas vezes, não acompanham este excesso de informação”, ponderou.

Almada complementou afirmando que a era da informação não é, necessariamente, a era do conhecimento. Para ele, este excesso de informação, sem bases concretas, merece atenção dos docentes e alunos. “É necessário buscar formas de transformar este excesso de informação em conhecimento, sob pena de não haver um ganho real do aluno”.

Sobre as novas tecnologias e materiais que estão ao alcance dos estudantes, Cabral acredita que os melhores materiais para o estudo ainda são os livros e os artigos científicos de fontes confiáveis. “É necessário ter muito cuidado com o que se acha disponível na internet. Vídeos, textos opinativos e uma gama de conteúdos que vemos por aí podem ser apenas entretenimento. Sente, estude, dedique um tempo para entender e aprender o assunto. Os livros têm informações mais confiáveis e consolidadas, e nunca decepcionam. Não há assunto tão difícil que não possa ser compreendido com muita dedicação e estudo”, finalizou.

Assista à live em: https://www.youtube.com/watch?v=o5_Yy5DV3OE