Notícias

CFQ encaminha documento a parlamentar pelo arquivamento de propostas por túneis de sanitização

O Conselho Federal de Química (CFQ) encaminhou ofício ao deputado federal Luiz Antonio de Souza Teixeira Júnior (PP-RJ) para pedir ao parlamentar que considere o arquivamento dos projetos de lei 3.784/2020 e 4.117/2020 – ambas tratam da instalação de túneis, ou cabines, de desinfecção ou sanitização. Esses túneis, cujo princípio é aspergir produtos químicos diretamente sobre as pessoas como forma de supostamente mitigar a propagação, não tem sua eficácia comprovada cientificamente.

O Sistema CFQ/CRQs, por meio do Comitê de Relações Institucionais e Governamentais (CRIG), tem atuado desde o ano passado para evitar que esses túneis sejam utilizados, por diversas razões. O CFQ já encaminhou documentos que influenciaram decisões de autoridades como o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Na ocasião, baseado também em entendimento professado pelo Conselho Regional de Química da 4ª Região (CRQ IV), o prefeito paulistano rejeitou o PL 01-00365/2020, da Câmara de Vereadores local.

Os argumentos, expressados em dois pareceres do CRQ IV, são de que a legislação aprovada pelos vereadores previa a utilização de alguns produtos de higienização de superfícies inanimadas, em prejuízo de outros com igual emprego; outro parecer tratava de expor a inexistência de estudos que indiquem a aplicação desses produtos químicos sobre a pele.

Documento explicita riscos por falsa sensação de segurança

No ofício, assinado pelo presidente do CFQ, José de Ribamar Oliveira Filho, ele manifesta ao deputado as preocupações do Sistema CFQ/CRQs, o que inclui a mensagem equivocada que as autoridades podem passar à sociedade neste momento em que a desinformação se constitui em adversário adicional no enfrentamento do novo coronavírus.

“Tão perigosa quanto os pontos colocados, a falsa sensação de segurança que esses túneis podem proporcionar poderia levar as pessoas a relaxarem nos procedimentos básicos e já consagrados para evitar contágios, como lavar frequentemente as mãos com água e sabão – ou higienizá-las com álcool gel – e evitar aglomerações”, afirma o texto.