Notícias

LinkedIn para alcançar público qualificado e segmentado

Representantes da rede social treinaram colaboradores para criar páginas e produzir conteúdos específicos

Com mais de 45 milhões de usuários no Brasil, o LinkedIn se diferencia das demais redes sociais pela facilidade de segmentação dos interesses e públicos. O potencial dessa plataforma para alcançar os profissionais da área da Química e as estratégias de conteúdo para a boa performance do Conselho Federal de Química (CFQ) e dos Conselhos Regionais de Química (CRQs) foram tema do treinamento virtual na manhã desta quinta-feira (17), durante a Semana do Aprendizado 2020.

O co founder Lívio Andaló e o business manager Pedro Salim, representantes do LinkedIn no Brasil, apresentaram a plataforma e suas funcionalidades a mais de 50 colaboradores do Sistema CFQ/CRQs.

Segundo Andaló, por se tratar de uma plataforma profissional, o mindset (modelo mental) de conteúdo buscado pelo usuário é diferente das demais redes sociais. “No LinkedIn, o usuário está disposto a consumir conteúdos mais densos, mais complexos. Ele busca informações sobre carreira, atualizações de marca e tendências do seu setor. Ou seja, ele quer gastar o seu tempo com isso”, explicou. Ele avaliou a rede como um “ambiente muito adequado” para os conselhos profissionais, já que podem falar diretamente com seu público-alvo. “Vale lembrar que muitos usuários só possuem o LinkedIn como rede social, principalmente perfis sêniores”, frisou.

Outro ponto destacado foi o equívoco quanto ao tipo de conteúdo mais buscado na plataforma. “LinkedIn não é só para vagas de emprego e recolocação profissional. Pelo contrário. Novidades, tendências e inspiração são os principais interesses dos nossos usuários”, esclareceu.

Perfil vencedor

Os participantes do curso receberam uma série de dicas para montar páginas que trarão bom engajamento e retorno positivo aos Conselhos. Andaló indica três pontos a serem trabalhados estrategicamente: a geração de conteúdo de qualidade – o representante da rede fez um elogio à qualidade dos conteúdos elaborados pelo CFQ –, uso dos funcionários como embaixadores da página e visibilidade de mídia.

A chefe da Assessoria de Comunicação do CFQ, Jordana Saldanha, pediu que ele explicasse a importância de se usar uma company page no lugar de um perfil pessoal. Andaló esclareceu que são diversos os pontos: segurança, já que o algoritmo do LinkedIn não derruba páginas de pessoas jurídicas, alcance e segmentação de público.

O bate-papo serviu para tirar muitas dúvidas dos colaboradores. O assessor de comunicação do Conselho Regional de Química da 3ª Região (CRQ III), Floriano Rodrigues, por exemplo, questionou se a divulgação de vagas externas ao Conselho na página do CRQ no LinkedIn seria uma boa estratégia. Segundo Andaló, a essência do LinkedIn é auxiliar as pessoas em suas carreiras, seja por meio de vagas ou conhecimento. “Não necessariamente a vaga precisa ser sua, mas é do interesse do seu público”, afirmou.

Nesse sentido, Jordana lembrou que as estratégias são diferentes para cada público e instituição. “Não existe uma fórmula mágica de qual conteúdo performa bem. É sempre uma questão de fazer, analisar e entender qual é o caminho de reverberação com aquela audiência”.

Plenária digital

Hoje, a BR Conselhos apresentou aos participantes da Semana do Aprendizado as funcionalidades do sistema de gestão digital no âmbito administrativo. As ferramentas de tramitação e geração de relatórios foram exibidas aos mais de 50 gestores que acompanhavam o encontro. Dentro das novidades, o uso do sistema para trabalhos relacionados às plenárias, como expedientes de comissões, decisões, votações e até mesmo relatórios para o Portal da Transparência despertaram o interesse dos presentes.

Algumas dúvidas sobre o sistema também foram sanadas. A presidente do Conselho Regional de Química da 16ª Região (CRQ XVI), Suzana da Silva, questionou como seria o procedimento de digitalização de processos anteriores à implementação do sistema.

O representante da empresa, Vitor Hammermeister, esclareceu que existem dois cenários. “O Conselho pode digitalizar todos os processos anteriores e unificar todos os seus documentos antes e pós contrato num mesmo sistema. Para isso, é preciso avaliar o montante de processos de cada regional, a disponibilidade de pessoal ou contratação de empresa externa para fazer o serviço de digitalização. O Conselho também pode manter os processos físicos fora do sistema, continuar a consulta manual e apenas os novos itens seriam digitais.