Notícias

RETROSPECTIVA 2019: Mulheres da Química são premiadas em Santa Catarina

A importância das mulheres na Química é destaque e merece lugar especial na Retrospectiva 2019 do Conselho Federal de Química. O Sistema CFQ/CRQ trabalha para que haja mais mulheres na ciência e menos obstáculos para o seu desenvolvimento profissional e acadêmico. Exemplo disso foi a sessão temática “Multiplicando referências femininas”, durante a 42ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química (SBQ), realizada em Joinville (SC), em junho.

O simpósio marcou o lançamento do Prêmio Vanderlan da Silva Bolzani, com o objetivo de reconhecer o trabalho de mulheres na química e no fortalecimento da sociedade. Trabalho do Núcleo Mulheres SBQ, que atua no estímulo ao debate e à visibilidade de lideranças femininas para inspirar jovens cientistas.

A primeira edição da premiação agraciou as pesquisadoras Maria Domingues Vargas, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), e Dirce Maria Fernandes Campos, que também é diretora-executiva da SBQ e trabalha na entidade desde a fundação em 1977.

Considerada uma das principais referências no país, Vanderlan da Silva Bolzani emocionou-se ao ver o trabalho de uma vida inteira reconhecido com a criação do prêmio com o seu nome. “Não existe nada mais maravilhoso do que esse reconhecimento da sociedade em relação ao meu papel como pessoa, mulher e ser social”, diz a cientista, que é vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Ainda em junho, o presidente do Conselho Federal de Química (CFQ), José de Ribamar Oliveira Filho debateu com a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, sobre apoio do conselho a um projeto que propõe capacitar ao mercado de trabalho mulheres em situação de vulnerabilidade social. A proposta é oferecer treinamento às mulheres para que atuem, de maneira assistida, na produção de cosméticos.

“É uma boa iniciativa. Vamos identificar a melhor maneira para que o Sistema CFQ/CRQ se envolva e se engaje na luta pela independência dessas mulheres, hoje desassistidas”, afirmou Oliveira Filho.