Notícias

Presidente do CFQ profere palestra para alunos da Química

Formar os profissionais do futuro é o papel primordial de um professor, uma função que é essencial para a sociedade. Essa foi uma das mensagens da palestra do presidente do Conselho Federal de Química (CFQ), José de Ribamar Oliveira Filho, em aula da disciplina de “Ética Profissional para Químicos”, do curso de Bacharelado e Licenciatura em Química da Universidade Federal do maranhão (UFMA), na sexta-feira (3).

Oliveira Filho, também professor doutor da UFMA,  comemorou o convite afirmando que o Conselho quer mostrar a importância do professor para a sociedade, já que ele forma os profissionais que vão para o mercado, e os pesquisadores que fazem da Ciência uma ferramenta para o progresso. Ele apresentou um histórico da regulamentação da profissão no Brasil, assim como, fez um breve relato sobre o Sistema CRQ/CRQs.  Na sequência, o presidente destacou as funções do Conselho e os deveres dos profissionais perante à sociedade.

Por se tratar do tema ética, o presidente do CFQ explicou sobre o que configura o exercício ilegal da profissão, além de ressaltar as funções que são privativas dos profissionais da Química. “Tem muita gente querendo exercer a nossa profissão. E quem não tem a preparação correta para tal acaba exercendo ilegalmente a profissão. Nestes casos, o que acontece, é que o Conselho abre contra ele um processo por exercício ilegal da profissão, e também contra a empresa, por corroborar a ilegalidade”, alertou.

Os alunos tiraram dúvidas com o professor sobre atribuições profissionais. A aluna Carliane Rosa Pereira perguntou se para atuar como perito o profissional precisa ser licenciado ou bacharel. O presidente esclareceu que ambas as habilitações permitem o exercício da função de perito, e acrescentou que o CFQ já interferiu em certames que vedavam a participação de licenciados. “Determinado concurso para perito dizia, no edital, que era só para bacharel em Química. O Conselho também tem esta atuação, e conseguimos incluir os licenciados, como a lei determina”, finalizou.