Notícias

Planejamento Estratégico: resultados concretos dão salto de qualidade ao Sistema CFQ/CRQs

De nada valeria um Planejamento Estratégico primoroso mas que não se fizesse válido no cotidiano, na prática do dia a dia. Há dois anos o Sistema CFQ/CRQs se reunia para debater o seu planejamento, a sua perspectiva para o decênio 2018-2028. O acompanhamento do andamento das metas e objetivos é uma constante dentro do Conselho Federal de Química (CFQ) e a verificação é de que a evolução foi sensível em muitas áreas monitoradas.

A linha mestra das ações foi determinada pelo presidente do CFQ, José de Ribamar Oliveira Filho, em total acordo com a diretoria do conselho federal. A proposta: um planejamento que contemplasse e favorecesse a integração e que ao mesmo tempo servisse a todo o Sistema. Assim foi feito.

 Avanços concretos impulsionam continuidade do trabalho

Convidado a revisitar o Planejamento Estratégico, o gerente-geral do CFQ, Renato Melo, entusiasta de primeira hora e organizador do processo que conduziu a elaboração do documento, olha para os primeiros resultados com satisfação.

“Avançamos muito e alguns pontos me surpreenderam. Na parte de capital humano, foi muito forte. Nunca tínhamos feito nenhum treinamento, já fizemos dezenas. Tecnologia: o Pool de Serviços Compartilhados, uma estrutura que até hoje a Esplanada (dos Ministérios) tenta fazer e nós temos processo licitatório contratado”, alegra-se.

Renato Melo prossegue:

“Avançamos nos processos internos, nas normativas, na prestação de contas, nas práticas de governança, no Plano de Cargos e Salários, plano de auditoria, plano de desenvolvimento de lideranças (ainda a ser aprovado), avançamos no relacionamento com a sociedade, na comunicação. Veio reconhecimento de órgãos de referência, como ANVISA, ONU, veículos de imprensa e da grande mídia. Chegamos a aparecer nos horários mais nobres”, conclui.

Comunicação, gestão e área finalística tiveram melhora sensível

No cotidiano, um dos responsáveis pelo acompanhamento do Planejamento Estratégico é o controller do CFQ, Leonardo Nunes Ferreira. Ele explica como se organiza o documento:

“A gestão estratégica do CFQ está amparada em quatro perspectivas indissociáveis: aprendizado e crescimento, governança e gestão, processos internos e sociedade, que se inter-relacionam com aos processos de governança, finalístico, gestão e controle interno, para velar pelo registro de profissionais e empresas; zelar pela preservação da ética e a habilitação técnica adequada para o exercício profissional; fiscalizar, defender e disciplinar o exercício da atividade profissional; resguardar o interesse público; e focar o propósito da organização em resultados para cidadãos e usuários dos serviços”, afirma.

Em termos práticos, o controller aponta progressos notáveis em termos de comunicação, seja na ampliação do relacionamento político-institucional, seja na realização de eventos de cunho institucional em diversos pontos do país, ou nas redes sociais – onde notadamente houve um incremento na interação com os registrados e a sociedade.

Outra conquista notável destes dois primeiros anos foi o alinhamento estratégico: o Planejamento foi totalmente associado ao orçamento, a Gestão de Projetos foi fortalecida e o capital humano foi alvo de investimentos consideráveis. No âmbito da Governança, se pode citar a instrumentalização por meio de normativos, com o desenvolvimento das lideranças por meio da realização de encontros de formação e a adoção de mecanismos de controle interno e gestão de riscos.

Melhorias foram implantadas também no que se refere à Gestão com foco em resultados, com o aprimoramento da Gestão de Custos, monitoramento e avaliação de desempenhos e inovação de processos e serviços. Já na área finalística – que se desenvolve especialmente no contexto da fiscalização da atividade profissional na área da Química –, o Planejamento Estratégico de 2018 provocou uma revisão e atualização dos Normativos, a promoção de ações de orientação aos profissionais de Química e o estabelecimento de parcerias institucionais.

“O que foi conquistado, até o presente momento, só foi possível graças ao maior ativo que o CFQ possui: as pessoas, o seu capital intelectual. Reconhece-se que a relação estreita entre o capital intelectual e a performance organizacional gera melhoria contínua e duradoura dos processos institucionais”, conclui o controller do CFQ.

 

 

  • O Sistema CFQ/CRQs está lançando uma série de reportagens e conteúdos para celebrar os dois anos do lançamento do Planejamento Estratégico, elaborado entre julho e dezembro de 2018. Considerado um marco para a transformação do Sistema, o Planejamento Estratégico prevê metas e iniciativas para a evolução dos Conselhos Profissionais da Química para o decênio 2018-2028.