Notícias

Pesquisador consegue produzir biodiesel com hidróxido de lítio

Ele descobriu como obter biodiesel a partir de óleo residual de fritura na presença de hidróxido de lítio como catalisador, que pode ser reaproveitado de baterias de aparelhos eletrônicos

Um professor e pesquisador do campo da Química de Vitória (ES) descobriu que é possível produzir biodiesel com o hidróxido de lítio reaproveitado de baterias de aparelhos eletrônicos e pilhas. A descoberta pode tornar o processo de produção do combustível ainda mais sustentável, já que o componente pode ser obtido em materiais descartados e sem finalidade de uso. Quem coordena a pesquisa é o professor do Centro Universitário FAESA, Gilberto Maia de Brito, que já vem buscando formas sustentáveis de produzir biodiesel há quase 10 anos.

O professor explica que a descoberta é inovadora, pois apresenta uma forma alternativa de produzir o biodiesel, o que não existia até a publicação da sua pesquisa. “Pegamos este hidróxido de lítio, que é um reagente químico, e misturamos com catalisadores que já são usados para fabricar biodiesel. Esta mistura não alterou a qualidade do produto. A síntese e o rendimento foram muito bons”.

Ele detalha que, para produzir o biodiesel, é necessária uma reação química que exige uma estrutura de laboratório. A matéria-prima pode ser óleo vegetal ou gordura animal. O óleo é misturado com álcool (etanol ou metanol) e, em seguida, com o catalisador – hidróxido de potássio junto com o hidróxido de lítio. O resultado desta mistura é o biodiesel e um subproduto, o glicerol.

O projeto segue a linha verde. Por isso, usa óleo residual de frituras para a produção do combustível. Além disso, a adição do hidróxido de lítio no processo também tem a sustentabilidade como objetivo. “Pensamos em empregar o hidróxido de lítio como uma alternativa para esse elemento químico que é descartado junto com materiais eletrônicos. O descarte é feito em grandes quantidades e de maneira muito inadequada na maioria das vezes. Esta será uma forma de diminuir o impacto sobre o meio ambiente”, ponderou Brito.

O próximo passo da pesquisa é tentar utilizar o lítio das baterias para produzir o biocombustível. O projeto já está aprovado, e o intuito é desenvolver uma nova metodologia, completamente sustentável, para extrair o lítio das baterias e usar na síntese do biodiesel. “Não há trabalhos usando lítio para sintetizar biodiesel, então é uma novidade. O primeiro passo foi usar o lítio em forma de hidróxido. Agora vamos testar o uso do lítio. Que funciona nós já sabemos, então é um trabalho que promete bastante”, finaliza.