Notícias

Olimpíadas de Química: uma trajetória de sucesso

“Um amplo projeto educacional, que reúne ações dirigidas para a melhoria do ensino da Química ministrada no Brasil”. É dessa forma que coordenador do Programa Nacional Olimpíadas de Química, professor Sérgio Melo, define o evento que, desde 1994, vem revelando centenas de talentos na área e preparando os futuros profissionais e cientistas para o mercado. Nesta sexta-feira (29/11), mais de 800 alunos vencedores das Olimpíadas 2019 serão homenageados em São Paulo. Leia a entrevista com o professor Sérgio Melo:

 

O que são as Olimpíadas da Química?

As Olimpíadas da Química são um projeto que teve início em 1994 com 186 participantes do Norte e Nordeste do Brasil. Com o sucesso do programa, muitas escolas de todo o Brasil se interessaram e então criamos, no ano seguinte, o Programa Nacional Olimpíadas de Química. Para termos uma dimensão da evolução do projeto, a edição de 2019 contou com 355 mil candidatos.

 

Qualquer estudante pode se candidatar na competição?

No início, só eram permitidos alunos do Ensino Médio. Atualmente, também são aceitos alunos do Ensino Fundamental e Superior, cobrindo todos os níveis de ensino.

 

Qual é o principal objetivo das Olimpíadas?

O programa busca identificar talentos para a Química e estimulá-los a aprofundar seus estudos na área, principalmente nos cursos superiores. Muitos dos alunos medalhistas se sentem prestigiados e estimulados a continuarem seus estudos até títulos mais avançados, como mestrado e doutorado. Hoje, inclusive, temos vários ex-olímpicos que são professores universitários e continuam colaborando no estímulo de seus alunos. Outros se tornaram coordenadores regionais das Olimpíadas nos estados do Piauí, Rio Grande do Norte, São Paulo e Minas Gerais.

 

Quantos alunos foram premiados este ano?

Foram 817 alunos em todo o Brasil. A premiação é única e todos ganharão uma medalha e o certificado de participação.

 

Como é feita a avaliação dos candidatos nas Olimpíadas?

O programa abriga 27 olimpíadas estaduais: a Olimpíada Norte/Nordeste de Química e a Olimpíada Brasileira de Química. Elas realizam certames nacionais em três níveis: Olimpíada Brasileira de Química Júnior, para alunos do ensino fundamental (oitavo e nono e anos); Olimpíada Brasileira de Química Modalidade A (para jovens do 1º e 2º anos do ensino médio) e Modalidade B (para os terceiranistas). A modalidade A consiste em seis provas. Ela é mais rigorosa, pois os estudantes selecionados irão representar o Brasil nas Olimpíadas internacionais. As demais categorias consistem em duas provas. Todas são compostas de questões objetivas e discursivas.

 

Como os interessados devem fazer para se inscrever nas Olimpíadas?

As inscrições são feitas no site da organização (http://obquimica.org/) e são gratuitas. É importante ressaltar que as inscrições devem ser feitas pelo professor, coordenador, ou diretor das escolas onde os alunos estudam. Não há limites de estudantes inscritos. Cada escola pode inscrever quantos alunos desejarem.