Notícias

Mudanças no mercado de alimentos ampliaram o campo de atuação dos profissionais da Química

As novas exigências no mercado de alimentos ampliaram o campo de atuação dos profissionais da Química, mas também aumentaram os seus desafios. A crescente demanda por produtos diet, light, sem glúten, sem lactose e veganos exige a descoberta de novos insumos para a indústria. “Hoje, temos um grande desafio de conseguir desenvolver conservantes, aromas e corantes cada vez mais próximos dos naturais”, diz Iane Oliveira, mestre em engenharia química, que trabalha como coordenadora de qualidade em uma indústria de polpa de frutas, localizada em Campina Grande (PB).

De acordo com ela, em uma indústria de alimentos, o profissional pode atuar nos processos produtivos e na área de qualidade e no desenvolvimento de novos produtos. Ele escolhe ingredientes, formula, testa e modifica receitas até que ela seja aprovada e validada. Isso tudo para garantir segurança alimentar, um processo enxuto e lucrativo para a empresa.

“Se não fosse pelo químico, não teríamos essa quantidade de novos alimentos no mercado. Somos desafiados, diariamente, a sugerir melhoria da produção, principalmente nas indústrias com processos produtivos mais complexos”, declarou.

Também é tarefa do profissional atuar no sentido de modificar a estrutura dos alimentos, seja por exigência de legislação, ou do próprio consumidor. Atualmente, há uma grande demanda para a redução de substâncias como sódio e açúcar, por exemplo, o que exige modificação na formulação dos alimentos sem prejudicar a saúde do consumidor. “O produto é considerado de qualidade quando ele atende as especificações de uma ficha técnica, baseada no que exigem os consumidores e a legislação”, explica Iane.

“O desafio do químico é atuar dentro dessas especificações, escolhendo ingredientes que não agridam o meio ambiente, sempre com novas ideias, visando a redução de custos e melhoria dos lucros sem alterar a qualidade do produto. Essa é a nossa batalha diária, o nosso grande desafio”.

Segundo Iane, outra tarefa dos químicos é conseguir fórmulas que aumentem o tempo de vida dos produtos. “A humanidade evoluiu de mãos dadas com a tecnologia dos alimentos e com o químico. Se não tivéssemos descoberto novos aditivos e conservantes, por exemplo, ainda teríamos que salgar a carne para conservá-la por mais tempo”.