Notícias

Live aborda produtos plásticos a partir de fibras naturais

Sabe aquele móvel de jardim ou de praia? Decks, cadeiras e mesas para áreas externas são produtos desenvolvidos pela Química. Este foi o assunto abordado na live do Conselho Regional de Química da 4ª Região (CRQ IV), na última quinta-feira (09), no canal do YouTube. 

Para dar início ao tema foram definidos alguns conceitos sobre compostos, masterbatches e blendas. 

O engenheiro de Produção Eliandro Barbosa Felipe, especializado na área termoplásticos e poliuretanos, explicou que os polímeros são macromoléculas constituídas por unidades menores, os monômeros, que se ligam entre sim por meio de ligações covalentes. 

“Já os compósitos são a união de dois ou mais materiais distintos com o objetivo de formar um terceiro material que tenha características específicas dos materiais utilizados”, disse o engenheiro Eliandro. 

Ainda de acordo com o profissional, os compósitos possuem divisões básicas. Essas fases são denominadas de matriz, podendo ser cerâmica, metálica ou polimérica. 

“Geralmente, os metais e os polímeros são escolhidos como os materiais de matrizes, por apresentarem ductilidade, característica que é frequentemente requisitada pela indústria. O plástico está substituindo peças metálicas”, comentou.

O especialista apontou que “há uma grande febre para se caminhar para a economia de baixo carbono”. Na opinião de Eliandro, a Química promove a sustentabilidade. “Ela tem um papel fundamental de alavanca e promotora de sustentabilidade e da inovação”, acrescentou.

Segundo o palestrante, na indústria do plástico, a Química é imprescindível para viabilizar temas de relevância atual e futura, como reciclagem química e mecânica, compatibilização de materiais poliméricos distintos, desenvolvimento de economia de baixo carbono, polímeros biodegradáveis e compostáveis.

Eliandro Barbosa ainda afirmou que já são desenvolvidas ceras 100% renováveis baseadas em farelo de arroz 

Já o engenheiro químico Christian Braun, especialista nas áreas de controle de qualidade, produção e desenvolvimento de produtos, falou sobre a criação de polímeros à base de fibras naturais. “O mercado hoje envia as especificações e entrega ao cliente o que ele necessita”, completou. 

Também conforme informações do palestrante, são desenvolvidos no Brasil compostos com fibras da cana-de-açúcar. “No Vietnã e Indonésia são feitos compostos para diversos setores da economia a partir da casca do arroz. No Maranhão, são produzidos compostos com fibras do bambu, que chega a crescer 1 metro por dia.”

Chamada de WPC (do inglês Wood-Plastic Composites), uma espécie de madeira plástica com fibra de madeira e polietileno, de alta densidade, que são utilizados na fabricação de decks, pisos e outros produtos para jardins e áreas molhadas, pois possuem alta resistência a intempéries. 

“As vantagens para o consumidor final são de um produto com um visual bonito e sensação de toque de madeira natural, sem as farpas da madeira natural e maior resistência a insetos e fungos”, garantiu Braun.

Assista a live completa em https://www.youtube.com/watch?v=v3fiP-B2jrA&t=3716s