Notícias

Frente Parlamentar da Química discute indústria dos cosméticos

Representantes do Comitê de Relações Institucionais e Governamentais (CRIG) do Conselho Federal de Química (CFQ) participaram nesta quarta-feira (9/10) do almoço da Frente Parlamentar da Química.

O evento é realizado em Brasília periodicamente e, desta vez, o tema foi a produção de cosméticos e a participação do segmento no conjunto da Indústria Química. A Frente Parlamentar é um grupo de parlamentares que atua em apoio à indústria do setor, envolvendo empresas e profissionais nas pautas de interesse do segmento no Congresso.

O Sistema CFQ/CRQ esteve representado pelos conselheiros federais Wagner Contrera Lopes e Suely Abrahão Schuh e pelo presidente dos conselhos regionais de Química da XXI Região, Alexandre Vaz Castro (Espírito Santo) e da XI Região, José de Ribamar Cabral Lopes (Maranhão).

No almoço, números relativos ao mercado de cosméticos foram apresentados. O Brasil representa o 4º maior mercado de cosméticos no mundo, atrás de EUA, China e Japão. Como os cosméticos são vistos como “supérfluos”, a cadeia industrial sofre com a tributação elevada. Por muito tempo, a indústria de cosméticos foi o segmento mais pesadamente tributado no país. Neste momento, ocupa o segundo posto.

“É um setor que emprega muitos profissionais químicos. A atuação dos conselhos de química é importante na medida em que boa parte dos ingredientes provém do exterior, são importados. Avaliar a qualidade desses produtos e assegurar que são seguros ao consumidor brasileiro é uma tarefa importantíssima”, afirma Vaz Castro.

A conselheira federal Suely complementa:

“A apresentação fez um cálculo interessante, de que a mulher brasileira utiliza, em média, de 6 a 12 diferentes cosméticos por dia em sua pele. Considerando que cada um deles reúne de 15 a 50 ingredientes diferentes em sua composição, se pode facilmente supor que as brasileiras utilizam pelo menos 250 produtos químicos individuais todos os dias. É um desafio assegurar qualidade a todos esses cosméticos”.