Notícias

Evento do CRQ XII discute o controle de qualidade das tintas imobiliárias

Essa notícia é boa para quem quer decorar e renovar a sua casa com novas pinturas. A tecnóloga em Química Industrial Camila Iannaconi deu dicas importantes sobre a fabricação e controle de qualidade de tintas imobiliárias, no webinar promovido nesta terça-feira (23), pelo Conselho Regional da 12ª Região (CRQ XII). “As tintas imobiliárias e para a construção civil possuem especificações simples e são fáceis de aplicar”, abordou o assunto, no início do evento on-line. 

Segundo a especialista, o processo de fabricação de tintas envolve matérias-primas como água, pigmentos e aditivos que são misturados em grandes batedeiras e tanques. 

Na fabricação, as tintas passam por etapas de pré-mistura, dispersão, e acréscimos de pigmentos concentrados. “Já o controle de qualidade serve para corrigir possíveis erros. Antes da filtração e do envasamento são coletadas amostras”, acrescentou. 

De acordo Camila Iannaconi, no controle de qualidade também são avaliadas a viscosidade, o ph, a densidade, a cor da tinta na área de aplicação e cobertura. “Para o consumidor final é importante que a tinta tenha a cor fiel que viu na compra”, avaliou.

A norma 15.077, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), define diretrizes que classificam a cor das tintas. Ainda, segundo a profissional, na avaliação do controle de qualidade são considerados aspectos sobre o rendimento, seca e úmida, brilho, resistência à abrasão, entre outros.

As tintas estão evoluindo para oferecer, cada vez mais, uma cobertura extensa na aplicação. Os clientes devem atentar para as especificações contidas no rótulo das latas das tintas, é outra dica da palestrante. 

Camila reforça, por fim que a indústria de tintas está investindo em equipamentos de controle sofisticados e recursos humanos. 

“Hoje, as tintas estão cada vez mais funcionais. No futuro, terão funções anti- fungos, antibacterianas, além de outros benefícios acústicos e térmicos”, concluiu a tecnóloga.