Notícias

CRQ IV promove palestra sobre empreendedorismo

Para empreender, a primeira dica é saber se está preparado e disposto a gerar valor diferenciado. Fora isso, outro fato extremamente importante é avaliar o motivo da escolha, se por necessidade ou oportunidade. Estes foram os primeiros questionamentos que a analista de negócios do Sebrae, na capital paulista, Paula Cristine Santana Proença Matias, fez durante a live do Conselho Regional de Química da 4ª Região (CRQ IV), no YouTube, na noite de terça-feira (12). 

“Eu vou empreender por necessidade porque minha família teve a renda reduzida ou porque fiquei desempregado”, acrescentou Paula Matias. 

De acordo com a especialista, com mais de 10 anos de experiência em liderança, treinamentos e atendimento ao público em geral, há pessoas que se tornam empreendedores por uma oportunidade. “Você está observando que o mercado está buscando profissionais da Química que atuem na área X ou Y. Estou enxergando que daqui dois anos isso será tendência. É importante entender qual é o motivo. Isso nos impulsiona e faz com que alcancemos objetivos”, comentou.

Ainda conforme a analista, empreender é paixão. “Quando você está apaixonado, você investe. Empreender é da mesma forma. Pontue suas qualidades. O que eu tenho de bom para empreender? Eu atendo bem? Eu recepciono bem ou sou melhor como uma pessoa analítica.”

Segundo estudos, foram cadastrados cerca de 2,6 milhões de microempreendedores individuais num cenário pandêmico, em 2020. Hoje, a participação neste mercado é de 11 milhões de brasileiros. “O empreendedorismo é uma escada árdua, mas maravilhosa. Você pode ser um empreendedor e não ter uma empresa. O empreendedor é um agente transformador. Se você já é formado em Química, você pode ser empreendedor por meio das suas atitudes”, argumentou a analista. 

Paula Matias garantiu que devemos escolher o encontro e não os conflitos de gerações. “Hoje, estamos partilhando momentos com diversos tipos de pessoas. Você mora e trabalha com gerações diferentes de você. Para você empreender é preciso saber qual é a sua geração e quem você vai atender”, afirmou.

A analista do Sebrae apresentou uma pesquisa que demonstra que ao abrir uma empresa, uma boa parte dos empreendedores não levantou informações importantes sobre o mercado.

Na pesquisa, 46% não sabiam o número de clientes que teriam e os hábitos de consumo deles. “É importantíssimo este estudo acirrado.”

Outros 38% não sabiam qual era o capital de giro necessário para abrir o negócio e 39% desconheciam o número de concorrentes que teriam.

Além disso, a pesquisa trouxe informações importantes como que 61% não procuraram ajuda de pessoas ou instituições para a abertura de um negócio. Ainda, 55% dos entrevistados não planejaram como a empresa funcionaria e 50% não determinaram o lucro pretendido. “Eu preciso pensar neste lucro para ter sobrevivência.”

Paula Matias ressaltou que a taxa de sobrevivência das empresas com até dois anos passou de 54% para 77%. “Em boa parte essa melhora se deve pela ampliação do número de microempreendedores individuais (MEIs). Mas quando se exclui os MEIS desta análise, a taxa cresce apenas 4 pontos percentuais, ou seja, de 54% para 58%”, analisou.

Na opinião da analista, o planejamento e o controle são fundamentais para o sucesso empresarial. “Mas, a maioria não pratica isso porque não sabe o que é ser empreendedor.”

Além do tino comercial, segundo a analista, o empreendedor precisa se aprimorar e ter um comportamento com características de persistência, proatividade e comprometimento, entre outros. Também é preciso acompanhar a evolução do negócio e hábitos de consumo.

“Coloque o seu sonho em prática, busque transformar ele em realidade e fazer diferença na vida das pessoas”, aconselhou a analista ao final da palestra. 

Assista à live completa em https://www.youtube.com/watch?v=poTiv779qJk&t=97s