Notícias

Carreira Química voltada para a área de polímeros foi tema de live do CRQ IV

Três profissionais com vasta experiência no campo dos polímeros foram os palestrantes da live do Projeto Inspiração desta terça-feira (29), realizada pelo Conselho Regional de Química da 4a Região (CRQ IV). Para abordar o tema foram convidados Daniel Tamassia Mnozzi, Eliandro Felipe e Karina Daruich, que contaram suas histórias de carreira.

Licenciado em Química pela UFSCar e mestre em Ciências de Materiais pela UNESP, Daniel Tamassia tem mais de 20 anos de experiência em desenvolvimento de produtos e mercados para o controle microbiológico. Empreendedor, Daniel é sócio fundador e atual CMO&Tech-Innovation da Nanox Tecnologia S/A, Indústria Química Brasileira e agora multinacional pioneira em Nanotecnologia no Brasil. Na palestra, ele apresentou o produto de sua patente que controla microrganismos em materiais feitos com polímeros.

“No processo de transformação do plástico, quando você sai do grão do polímero, a gente adiciona o nosso produto, que é um produto em pó, uma patente minha, uma inovação brasileira feita aqui e com tecnologia nossa. Podemos colocá-lo em vários processos, como no processo de injeção, de sopro, de rotomoldagem, de um filme, de uma embalagem, de fabricação de uma caixa d´água e outros materiais e produtos”, explicou Daniel.

Segundo ele, hoje é fácil responder o motivo pelo qual é interessante adicionar um aditivo de controle microbiológico em um material como o plástico, que parece ser inerte a microrganismos. “Vivendo uma pandemia a gente já sabe o malefício que um microrganismo pode trazer a um sistema, um ecossistema ou a um ambiente. É justamente esse controle que pode facilitar diversas produções”.

Durante a fala, o químico citou o caso de uma embalagem de leite ao ter a aplicação do seu produto. “Você consegue aumentar o shelf life (validade) do leite com o controle microbiológico. O leite fresco que antes durava 8 dias no refrigerador, com o nosso produto, hoje dura 16. E aí você consegue ter uma logística maior desse leite, uma distribuição melhor, uma durabilidade maior”, reforçou. Daniel ainda destacou que o grande diferencial do produto é que ele não migra do plástico para o alimento ou material embalado, trazendo assim segurança.

“A inspiração do nosso trabalho com a Química é melhorar o material e trazer mais segurança para o cliente, usando tecnologia. Então, hoje, a gente chama isso de smart package ou de embalagem ativa, e é muito interessante a quantidade de aplicações possíveis”, comemorou Daniel.

A empresa de Daniel foi uma das primeiras do mundo a conseguir resultado direto com o SARS-CoV 2, vírus causador da Covid-19. “Nós conseguimos, em alguns materiais, inibir o vírus que costuma durar no ambiente mais de 48h, dependendo no material que ele cai. A gente conseguiu resultados de minutos. Em um ou dois minutos ele elimina totalmente esse vírus da superfície da embalagem”, disse, orgulhoso. A empresa do profissional, mesmo de porte pequeno, já recebeu prêmios e certificações ao lado de outras empresas de maior porte.

Já Eliandro Felipe é técnico em plásticos formado pelo SENAI Mário Amato e é engenheiro de produção mecânica, pelo Centro Universitário da FEI. Com mais de 24 anos atuando em grandes corporações multinacionais e nacionais, como Clariant, BASF, DuPont, General Electric e Cromex, e tendo seu currículo sempre ligado à área de polímeros (termoplásticos e poliuretanos), com longa experiência comercial e gestão de pessoas em âmbito internacional. Atualmente, Eliandro exerce o cargo de Gerente Regional para a América Latina do negócio de aditivos na Clariant.

Em sua apresentação, Eliandro focou no objetivo de inspirar os estudantes de Química a seguir com a carreira na área. Ele enfatizou que “a Química é a Ciência do presente e é a Ciência do futuro. Sem Química não seremos capazes de responder a problemas importantíssimos para a espécie humana como, por exemplo, proporcionar uma economia de baixo carbono e controlar a temperatura da Terra. A Química tem uma relevância crucial para a sobrevivência da raça humana. Vocês escolheram a carreira certa!”.

Segundo Eliandro, a Química é o grande facilitador da inovação direcionado à sustentabilidade. “Não há sustentabilidade sem inovação e não há inovação sem a Química”, reforçou.

Além disso, Eliandro trouxe também dicas importantes para quem quer alcançar o sucesso. “O que é o sucesso”? Indagou ele, respondendo que para cada um a palavra sucesso tem um significado e engloba diferentes realizações. Motivo que levou o palestrante a alertar para importância de que a escolha considere as aptidões, tais como gostar e saber fazer. “A partir do momento que você coloca o seu melhor, você estará no caminho do sucesso”.

Ele lembrou que é fundamental aprender uma língua estrangeira e que a pessoa que trabalha com polímeros precisa estar disposta a solucionar problemas.

“Crescimento passa pelo desconforto, passa por etapas difíceis, traz dificuldade, mas desenvolver resiliência é necessário para qualquer profissional que queira desenvolver uma carreira. As vezes a gente quer acelerar ciclos, mas precisamos ter paciência. Não podemos pular etapas”, concluiu.

A terceira palestrante da live foi Karina Daruich, Química Industrial formada pela Faculdades Oswaldo Cruz, pós-graduada em Marketing pela Anhembi Morumbi, possui MBA em Comércio Internacional pela Universidade de São Paulo, especialização em Gestão de Projetos e Negócios Sustentáveis pela FIA – USP e em Materiais Poliméricos pela Faculdades Oswaldo Cruz. “O polímero entrou na minha vida quando fiz uma especialização. Até o cheiro do plástico me encantou”, contou.

Karina tem 30 anos de experiência na área técnica, comercial e de marketing. Ela contou que foi uma das primeiras mulheres a trabalhar na área comercial de polímeros. “Eu era a única mulher vendedora externa, eu e mais 7 homens. Um desafio muito legal. Isso em 1997”.

Aos 50 anos Karina fez uma grande mudança na carreira e direcionou todo o seu conhecimento em polímeros para a sustentabilidade. Hoje ela é diretora executiva da Associação Brasileira de Biopolímeros Compostáveis e Compostagem – ABICOM e membro das Comissões Técnicas de Meio Ambiente e de Elastômeros e Polímeros do CRQ-IV.

“Os biopolímeros vieram para ficar, mas eles não vão substituir 100% os de fósseis, apenas em aplicações que fazem sentindo, no caso dos compostáveis. Os plásticos têm muito a contribuir, não são apenas vilões como muitos dizem”, concluiu.

O Projeto Inspiração do CRQ IV consiste em uma série de lives direcionadas a despertar o interesse dos estudantes da área Química para os diversos segmentos de atuação. Os participantes podem fazer perguntas e pegar os contatos dos palestrantes para tirar dúvidas e ampliar o network. As lives deste projeto estão sendo realizadas todas as últimas terças-feiras de cada mês.

Para assistir à live acesse o canal do CRQ IV no YouTube https://www.youtube.com/channel/UCG-wlgL7mwZR_4vz7741ltQ