Notícias

Atuação do Sistema CFQ/CRQ no caso da água da Cedae reforça valor do Químico para a sociedade

Desde o começo da crise hídrica no Rio de Janeiro e na Baixada Fluminense, há três semanas, o Sistema CFQ/CRQ desempenha importante papel na proteção da sociedade e na defesa das melhores práticas no campo da Química e de seus profissionais.

O Conselho Regional de Química da 3ª Região (CRQ III), presidido por Rafael Almada, tem sido personagem ativo no desenrolar dos fatos – seja levando à população informações simples e importantes sobre como se proteger de potenciais efeitos nocivos do consumo da água em desconformidade, seja fiscalizando laboratórios e estações de tratamento da Companhia Estadual de Água e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).

Para o presidente do Conselho Federal de Química (CFQ), José de Ribamar Oliveira Filho, o tratamento de água é uma atividade privativa do profissional da Química e a atuação do Sistema CFQ/CRQ é fundamental para a população fluminense.

“Muito positivo o posicionamento do CRQ III. O presidente Almada está perfeitamente correto em suas ações. Ao mesmo tempo em que levou informação à sociedade, advertiu dos perigos e aconselhou aos usuários, desempenhou a fiscalização”, afirmou José de Ribamar.

O caso da geosmina

No Rio de Janeiro, a água distribuída pela Companhia em alguns bairros da capital e da Região Metropolitana foi reportada por usuários como contendo cor, odor e sabor inapropriados. A presença de geosmina na água foi identificada e, embora não haja registros de efeitos tóxicos dela ao organismo, a comunidade questionou se o produto era próprio para o consumo nessas condições.

O Sistema CFQ/CRQ então, por meio do CRQ III, veio a público levar informação segura: foi produzida uma cartilha com dicas para que a população tirasse suas dúvidas sobre os perigos presentes no consumo e para que usos a água in natura seria mais apropriada – além de dicas simples de filtragem e purificação doméstica da água. A iniciativa do Sistema CFQ/CRQ alcançou grande repercussão, envolvendo diversos veículos de mídia que replicaram o material ou convidaram o CRQ III para entrevistas.

Em paralelo, o Sistema se encarregou de sua atividade finalística mais própria: fiscalizar a atuação regular dos profissionais e empresas da área da Química, na defesa do cumprimento do Código de Ética Profissional, com o objetivo de proteger a sociedade.

Vistorias nas instalações da Cedae

Na quarta-feira, foi realizada vistoria no Laboratório de Controle da Qualidade da água da Cedae. O CRQ III verificou os métodos, equipamentos e resultados de análises inerentes ao controle da potabilidade da água distribuída pela Cedae desde 1º de janeiro, a fim de verificar a adequação dos controles realizados.

Foi constatado pela fiscalização que a empresa tem número de funcionários adequado ao trabalho executado no laboratório e que todos os profissionais químicos exercem suas funções regularmente, atendendo aos critérios exigidos pelas normas do Sistema CFQ/CRQ.

Em relação aos processos e análises realizados no laboratório, tampouco foi encontrada qualquer desconformidade, inclusive no que diz respeito ao tratamento da água dentro dos critérios estabelecidos pela Portaria nº 2.914/2011 do Ministério da Saúde e suas atualizações, que regulamentam o tema.

Nos próximos dias, os fiscais irão ainda até a Estação de Tratamento de Água (ETA) do Guandu, de onde sai grande parte da água que abastece a Região Metropolitana.

CRQ prega prudência e tranquilidade

Para Almada, o Sistema cumpriu a importante tarefa de orientar a população e evitar o pânico.

“Neste momento o pânico não é um bom aliado. Esclarecemos que a água que chega com forte odor e coloração turva não deve ser consumida. No entanto, se a água se encontra transparente e inodora, deve ser filtrada, sempre, e pode ser consumida”, afirmou.

O presidente do Conselho Regional comentou ainda que, a partir da inclusão do carvão ativado no processo de filtragem, novas análises terão de ser feitas.

“A Cedae, iniciando a implementação do carvão ativado no processo de tratamento na Estação de Tratamento de Água do Guandu, nos permitirá avaliar as novas análises com os primeiros resultados dos parâmetros de qualidade da água tratada”, completou.